A Estranha Ordem das Coisas

Pôr Ordem

Passado, Presente e Futuro

Ora portanto vamos lá ver se entendi:

A Estranha Ordem das Coisas

Uma profissão ou conjunto de profissões, que até há 5 anos atrás andava, bem ou mal, em roda livre e mais ou menos organizada em feudos,

Que passados mesmos todos estes anos (sim até porque 5 anos já dá para licenciar alguém) ainda não conseguiu, por vontade própria ou alheia, definir quem é, quem não é, quem pode, ou não pode ser dos nossos de forma clara e inequívoca,

Que mesmo depois dos responsáveis deste país, terem usado como defesa dos nossos interesses (leia-se regulamentação, evocada no superior interesse do bem público), contra a posição de muitas outras instituições nomeadamente a poderosa OM, a necessidade de separar o trigo do joio, e que esta separação só irá acontecer com a intervenção do Estado,

Oportunidade para falar em  Ordem Profissional?

Como podemos nós falar em Ordem Profissional, por muita vontade que tenhamos todos de nos auto-regularmos, se nem sequer ainda conseguimos fechar e definir o nosso corpo profissional?

Nós não precisamos agora de ordem, precisamos de pés no chão e ouvidos na terra. Precisamos de factos, não de especulações nem de fantasias!

E muito menos de discursos inflamatórios de perseguição e de conflitos de interesses entre colegas, embora seja verdade, muito verdade que, eu, como especialista em Medicina Tradicional Chinesa, com cédula profissional de Acupunctura, detentor de todas as minhas faculdades e ciente do lugar que ocupo digo bem alto para que toda a gente oiça:

O que eu quero é que os colegas pré e pós-2013 tenham licenciaturas! (de verdade)

Porque são estas que definitiva e inequivocamente definem quem faz parte do nosso corpo profissional!

Só assim se pode caminhar no longo e árduo caminho da consolidação da profissão, onde depois de haver tempo suficiente para existirem estudos sociológicos conclusivos, baseado num corpo de conhecimentos e numa praxis própria bem consolidada, estaremos em condições de receber humildemente a responsabilidade de nos auto-regularmos.

Gente que sabe o que quer!

Temos a certeza que os especialistas em MTC, bem como outros profissionais de outras TNC’s, já se emanciparam de certas amarras e têm maturidade suficiente para distinguir propostas sérias de manobras de diversão...

Porque meus amigos, já chega de narrativas que são construídas de forma incompetente ou mal intencionada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *